Home » Colunistas » Welington Nanall » Profissão político, nada sustentável

Profissão político, nada sustentável

Primeiro Setor: Cargo Público Nada Sustentável. Por que muitas pessoas querem se aventurar na polítieleiçõesca? Estive observando nos últimos dias que em mais de 70% dos candidatos registrados no site do TRE os candidatos (as) possuem apenas instruções fundamentais e medianas incompletas.

Hoje no país
em que vivemos, nota se que os únicos poderes, que não exigem mérito e capacidade técnica de seus atores são os poderes legislativo ou executivo. Infelizmente o que se observa nas ruas são indivíduos que, não possuem a mínima capacidade de ocupar uma função de legislador ou executor, simplesmente por quê não possuem conhecimento, formação, mérito ou capacidade técnica para ocupar tal função pleiteada, ocupando estes espaços por indicação e apadrinhamento.

Alguns destes estão tão desalinhados das funções públicas e cargos públicos que confundem o papel dos poderes executivo com o legislativo fazendo uma lambança geral. Este tipo de analfabetismo institucional e político têm trago a sociedade uma enorme conta mensal nas Câmaras Legislativas e Sede do Executivo.

Principalmente no legislativo quando se trata de ações enérgicas sobre o poder executivo que na maioria das vezes não ocorrem, simplesmente por que há um desconhecimento técnico, além da falta de formação e capacidade técnica e jurídica destes atores que os torna meros cordeirinhos do poder executivo. Permitindo que em determinadas situações, o legislativo inteiro possua cargos e secretarias no poder executivo.

Gerando acordos entre o poder gestor e fiscalizador, o que só tende a prejudicar a sociedade em todos os aspectos. A pobreza institucional e instrucional dos nossos legisladores tem construído uma legião de Parlamentares esfomeados e mortos fome sem quaisquer critérios e perspectivas de atuação em prol da sociedade.

Na história da política brasileira não há como se identificar múltiplos exemplos de parlamentares imparciais, mais o que vemos nos jornais, revistas, livros é uma história a portuguesa, onde candidatos e parlamentares vendendo um produto e depois de eleitos se alimentam de outro produto, exemplo na saúde pública. Simplesmente por que observam a oportunidade de ganharem sem trabalho, sem esforço e responsabilidade com o próximo.

Historicamente a política nacional se tornou um mercado milionário com diversos Josés e Marias milionários. É notável que, muitos candidatos se aventuraram hoje na política simplesmente porque não possuem perspectivas profissionais no mercado de trabalho, outros por falta de interesse ou capacidade técnica. Com estas qualidades, como esperar de um parlamento desqualificado, que o mesmo seja produtivo?

Infelizmente é notório que um parlamento desqualificado seja improdutivo e se transforme num parlamento alinhado com a gestão, e que este apenas gere custo para a sociedade principalmente na ineficiência dos serviços públicos municipais, estaduais e federais. Transformando o Congresso, Câmaras Municipais e Assembléias legislativas numa grande casa de câmbio custeado pelo alheio popular, que paga para votar, paga para manter e pior pagam as negociatas e acordo sem dimensão e proporção.

 

Share

Sobre Welington Nanall

Share
%d blogueiros gostam disto: